Transporte rodoviário de carga: veja quais tipos são utilizados no Brasil

Transporte rodoviário de carga: veja quais tipos são utilizados no Brasil

Os 7 principais tipos de transportes rodoviário de cargas

No Brasil, o principal modal de transporte, responsável por 76% da circulação de produtos e insumos, é o rodoviário, por alcançar, com facilidade, regiões onde diferentes opções, como aéreo ou aquaviário, não alcançam.

Porém, apesar de ser a principal forma de transporte, será que é o mais adequado para todos os tipos de carga?

Dentro desse modal existem várias maneiras de se transportar uma carga. Reunimos os principais tipos de transporte de cargas em rodovias e trouxemos suas principais características.

Transporte de cargas frigoríficas

Uma vez que cargas estão ligadas à alimentação, é importante ter um cuidado extra por parte da transportadora, além de ser necessário cumprir as normas e exigências para esse tipo de serviço.

Entretanto, esse tipo de carga é subdividido em duas categorias:

Perecíveis

Estão expostas ao risco de se perderem e estragarem com o tempo, é o caso de frutas e legumes. Por isso toda a logística deve ser bem pensada e executada.

Diante de tantos desafios ao longo do trajeto, a carga precisa ser transportada em um caminhão específico, que possua um equipamento responsável pela redução de temperatura.

Congelados

Já os congelados, são aqueles que passaram por um processo de resfriamento intenso até a formação de gelo. Por exemplo: carne bovina congelada; aves e cortes congelados; alimentos em geral congelados.

O caminhão mais indicado para essa tarefa é o baú frigorífico fechado, que mantém a temperatura entre -15°C e -20°C.

Transporte de cargas a granel

Os produtos a granel são chamados assim porque ainda não foram ensacados ou encaixotados e são extremamente comuns em regiões do país com grande concentração de fazendas e agronegócio.

A carga a granel se relaciona com produtos transportados em grandes quantidades, na maioria das vezes em seu estado bruto.

São divididos em dois modelos:

Granel Sólida

Esse tipo trata do transporte de carga com produtos sólidos, em sua maioria insumos que podem ser medidos por quilogramas. Nessa categoria se encaixam muitas mercadorias, como: milho, soja, café, feijão, etc.

Vale lembrar que os minerais também se enquadram nesse segmento, como carga seca a granel, elencando minério de ferro, bauxita, manganês, etc.

Granel Líquido

A carga a granel líquida se trata de produtos como água, sucos, combustível (petróleo, diesel, etanol e gasolina) e óleos vegetais, por exemplo.

O transporte de carga líquida a granel é feito, em suma, por tanques ou cisternas, também chamados de caminhões-tanque, que devem contar com uma segurança reforçada, principalmente no trajeto com produtos químicos.

Transporte de cargas de grande porte e indivisíveis

Tratam-se de produtos que não podem ser divididos e que possuem grandes pesos e dimensões, como: vagões, guindastes, máquinas agrícolas e de uso industrial, transformadores, reservatórios de alimentos, etc.

Em alguns casos, é necessário contratar veículos batedores durante o trajeto para evitar acidentes e garantir a segurança dos demais automóveis nas rodovias.

O deslocamento desses materiais é, também, muito delicado, demandando cuidados no manuseio, carregamento e descarregamento.

Transporte de cargas secas

Definimos como carga seca todo material que não necessita de horários específicos de tráfego e nem de condições climáticas especiais para controle da carga, ou seja, materiais não refrigerados e não congelados.

Em geral, as cargas secas constituem a maior parte do abastecimento nacional para lojas, supermercados, indústria da moda, automotiva e outros variados segmentos.

São exemplos de cargas secas transportadas: alimentos não perecíveis, madeira, produtos de higiene, eletrodomésticos e aparelhos eletrônicos, itens de vestuário em geral, entre outros.

Foto: caminhão baú

O caminhão mais utilizado nesse tipo de transporte é o que possui um baú, pois consegue acomodar caixas, sacos e fardos adequadamente, deixando as cargas protegidas e organizadas durante o trajeto.

Transporte de cargas fracionadas

Como o nome já diz, a carga fracionada se contrapõe à carga completa, já que várias empresas podem compartilhar o mesmo caminhão para realizarem entregas que tenham um destino semelhante.

Note que a mercadoria é pequena e ocupa pouco espaço no caminhão. Por essa razão, é possível que a transportadora reúna vários produtos com as mesmas características e destino semelhante ou próximo.

O segredo é o planejamento, rapidez e eficiência. De modo geral, a transportadora organiza a distribuição e a entrega dos produtos de modo a possibilitar o uso de um mesmo veículo para transportar cargas diferentes.

Lembrando que cada empresa paga apenas pelo espaço ocupado pelo seu produto, reduzindo os custos do transporte com as outras cargas.

Transporte de cargas vivas

As cargas vivas também são encontradas com facilidade nas rodovias brasileiras sendo compostas basicamente de animais, como vacas, galinhas e porcos.

Trata-se de um modelo de transporte bem delicado e que exige um alto nível de especialização e treinamento dos motoristas e operadores logísticos que lidam com a carga.

É importante utilizar uma carroceria fechada, como a boiadeira, que possua saídas adequadas para ventilação, além de evitar transportar outros tipos de mercadorias com os animais. Já que existe a possibilidade deles se machucarem durante o trajeto.

O maior objetivo é que os animais sejam transportados em segurança e que cheguem ao destino final. Lembrando que há uma alta fiscalização nesse sentido, uma vez que não se pode permitir que a carga sofra durante o transporte.

Transporte de cargas perigosas

Esse tipo de material é um dos mais delicados de serem manuseados, pois geram risco à saúde, ao ambiente, à segurança e integridade física dos motoristas e ajudantes.

Diante do perigo e necessidade de fiscalização no manuseio e deslocamento dessas cargas, a ONU criou recomendações para o transporte de produtos perigosos e foi elaborada uma classificação desses produtos, de acordo com as características, nível de perigo e cuidados que demandam.

Na última semana, fizemos um blog post sobre logística de cargas perigosas. Para saber mais sobre o transporte desse tipo de carga clique aqui.

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

Proudly powered by SpiceThemes