Arquivo da tag: Produtividade

Módulo

Como o biocombustível impacta na sustentabilidade?

O biocombustível é produzido a partir de um material orgânico chamado de biomassa. Contudo, com esse material é possível gerar energia a fim de ser uma alternativa aos combustíveis fosseis.

Plantas oleaginosas são as matérias primas mais comum para a produção desse tipo de combustível. Entretanto, no Brasil são utilizados vegetais, como:

Mamona, palma, girassol, milho, babaçu, cana-de-açúcar entre outras alternativas. Essas matérias primas são responsáveis pela produção dos biocombustíveis como o álcool, biodiesel, etanol e o biogás.

Os biocombustíveis são divididos em 4 partes

1 – Eles são feitos a partir de algumas espécies de vegetais. Esta categoria inclui etanol, biodiesel, bioetanol e biogás.

2 – Feitos de celuloses e outras fibras vegetais não comestíveis. Um exemplo desse biocombustível é o etanol celulósico.

3 – Biocombustíveis produzidos por plantas de crescimento rápido, como as microalgas.

4 – Produzidos a partir de árvores geneticamente modificadas, que fornecem biomassa de alta qualidade e maior capacidade de absorção de dióxido de carbono (CO2) da atmosfera.

Vantagens x Desvantagens

As desvantagens do uso dos biocombustíveis estão ligadas ao desmatamento, isso ocorre porque para a sua produção é preciso de amplas áreas agricultáveis.

Contudo, o uso de agrotóxicos gera impactos negativos, um exemplo disso é a poluição dos aquíferos.

Entretanto, são inúmeras vantagens de utilizar esses biocombustíveis, algumas delas são:

São biodegradáveis, diminuem a dependência do petróleo e ainda são uma fonte de energia renovável, diferente do petróleo.

A sustentabilidade que o biocombustível promove é real?

Sim, de fato eles emitem menos CO² que a gasolina, entre outros combustíveis. Afinal, por que isso acontece?

Os gases emitidos pelos biocombustíveis são reabsorvidos pelas safras seguintes, por isso são uma fonte de energia renovável.

Porém, existem aqueles que possuem oxigênio em sua composição, o que ajudam a diminui as emissões de monóxido de carbono (CO).

Benefícios do biocombustível

Aproveitamento de resíduos

A produção de biocombustíveis também pode resolver um problema urbano comum no Brasil: resíduos orgânicos e esgoto doméstico.

O professor Ricardo Antonio Francisco Machado explicou que, por exemplo, na produção de biometano, existe a oportunidade de usar essa matéria-prima em produtos que podem substituir o diesel e o gás natural.

As vantagens, ele destaca, vão além da redução dos poluentes ambientais dos resíduos sólidos. Atualmente o lixo orgânico não é compostado, mas sim misturado com recicláveis e encaminhado para o lixão.

O grande potencial do biometano é promover a saúde pública e resolver o problema dos aterros sanitários”.

O uso de resíduos agrícolas ainda pode gerar benefícios semelhantes. Segundo a Associação Brasileira de Biogás (Abiogás), a produção de biogás e biometano a partir dessas matérias-primas aumentou 27% em 2020.

Menor emissão de gases do efeito estufa

De acordo com o levantamento de dados do WWF-Brasil, a redução das emissões de gases de efeito estufa variam de acordo com o tipo de biocombustível utilizado e os combustíveis fósseis alternativos.

Essa redução ocorre porque a biomassa absorve o dióxido de carbono emitido quando os biocombustíveis são queimados.

Em geral, essas emissões costumam ser maiores que zero. Por isso são vistas como emissões indiretas.

Por exemplo, isso inclui emissões da produção de biocombustíveis e insumos de transporte.

Mesmo assim, os benefícios ambientais são maiores, ressaltou a professora Camilla Colombo.

“Não temos dados comparando etanol com gasolina, mas pesquisas mostram que o uso de biodiesel pode reduzir as emissões de dióxido de carbono em 70 por cento.

Usando biometano, você pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 85 por cento.”

O Brasil avança na produção de biocombustíveis

Atualmente o Brasil é o segundo maior produtor mundial de biocombustíveis, fica atrás apenas dos Estados Unidos.

Em terceiro lugar fica a indonésia, que adota o mix B30 no diesel desde o início do ano de 2020, no mesmo ano começaram a executar testes para avançar para B40 em 2021.

A substituição dos combustíveis fósseis é um caminho sem volta, se não assumirmos uma conduta ousada, corremos o risco de ser ultrapassado.

Existem alguns tipos de biocombustíveis quais são?

  • Etanol: Pode ser produzido a partir da cana-de-açúcar, beterraba ou milho;
  • Biodiesel: Produzido a partir de óleos vegetais como girassol ou soja;
  • Biogás: Consiste em bactérias que decompõem matéria orgânica;
  • Biomassa: Inclui a conversão de resíduos como carvão, lenha ou bagaço;
  • Biometano: um combustível convertido a partir de biomassa.

Como o biocombustível afeta o setor logístico?

Com o passar do tempo, empresas demandam que suas operações sejam sustentáveis e que não casem danos ao planeta terra.

Entretanto o uso de biocombustíveis pode ajudar muito no setor da logística e transporte.

A logística de transporte é um setor conhecido por usar muitos combustíveis fósseis, como gasolina e diesel, adotar isso nos processos logísticos podem obter alternativas ecológicas.

Além disso é possível reduzir a poluição e muitas dessas alternativas podem resultar em uma economia para as empresas de logística e transporte.

Existe outra alternativa sustentável?

Uma alternativa bastante atraente no Brasil são os caminhões elétricos que vem revolucionando o transporte logístico.

Portanto, os motores elétricos possuem baixo impacto ao meio ambiente e são ecologicamente mais corretos que os tradicionais.

Os custos operacionais diminuem drasticamente com o caminhão elétrico, além de evitar a emissão de gases poluentes, já que os motores elétricos não queimam combustível.

Os custos operacionais diminuem drasticamente com o caminhão elétrico, além de evitar a emissão de gases poluentes, já que os motores elétricos não queimam combustível.

Se você busca reduzir custos, além da sustentabilidade, utilizar KPIs logísticos podem ser uma boa. Quer saber mais? Acesse nosso site e faça um orçamento conosco.

Roteamento automático: O que é e quais os benefícios?

O que realmente diferencia uma roteirização de uma empresa à outra é a eficiência de sua operação tanto no quesito fidelização do cliente, quanto na rentabilidade dos seus processos logísticos.

Portanto, a automatização de processos é fundamental! Nas últimas duas décadas, o momento de automatizar os processos mais básicos como o envio de pedidos, faturamento e controles financeiros exigiam uma equipe enorme e causavam grande descontroles em operações maiores.

Já nesta década, o que percebemos foi uma automatização da logística de armazenagem, evitando operações manuais gigantescas e forte índice de perda de mercadorias.

Agora, estamos no momento de automatizar a gestão das entregas, que passou a ser um dos maiores centros de custo das operações.

Roteirização manual, por que devo para de usar?

Todas as atividades manuais estão sujeitas a erros, o que afeta diretamente a qualidade do serviço e o alcance dos resultados.

Todavia, o principal objetivo de uma empresa de logística é conseguir entregar o produto certo corretamente no menor tempo e com o menor custo.

Usando a roteirização manual, você pode até atingir um objetivo ou outro se as informações não forem muito precisas.

Mas afinal, o que é roteirização automática?

A roteirização automática é o planejamento das cargas que a frota irá transportar para distribuição com o auxílio de sistemas especializados.

Contudo, introduz o planejamento de rotas, montagem de cargas, conhecimento geográfico e outras funções de forma automatizada com mínima intervenção humana.

Se no roteamento “tradicional” tudo é feito manualmente, mas no roteamento automático o fator fundamental é utilizar um sistema sob medida para a função.

Quais os benefícios da roteirização automática?

Redução de custos e ganho de agilidade

O roteamento automatizado ajuda a reduzir o consumo de combustível, a fim de acelerar as entregas e reduzir os custos operacionais (desde despesas de folha de pagamento reduzidas a menos erros e retrabalho).

Sobretudo, as margens de lucro podem ser melhoradas e descontos podem ser negociados em determinadas negociações, o que não é possível quando se trabalha com alto custo.

Gestão orientada por dados

Pense primeiramente em todo o tempo gasto planejando cargas e pensando no processo de entrega de mercadorias aos clientes.

Quanto mais tempo gasto nisso, menos produtivos todos são, desde o planejamento até a execução operacional.

Com uma solução de roteamento automatizado, você pode reduzir esse tempo, com o intuito de ter uma entrega mais rápida e eficiente. Isso melhora a satisfação do cliente, melhora a reputação da empresa, aumenta a produtividade e pode aumentar a receita e a lucratividade.

Aumento da competitividade

As empresas do espaço distribuidor atacadista que usam roteamento automatizado são mais inteligentes e mais competitivas.

Eles são capazes de planejar e executar uma sequência otimizada de rotas de entrega, são capazes de analisar a disponibilidade do cliente, horas de serviço, capacidade do veículo, desempenho do motorista, etc.

Quando o roteamento automatizado é colocado em prática, são muitos os fatores que podem ser melhorados no dia a dia das operações para beneficiar a empresa.

Resumindo, roteirizar cargas e planejar embarques não é mais um “problema difícil” para uma equipe passar horas fazendo essa atividade. A automação pode evitar erros e tornar tudo mais eficiente e eficiente.

Minha empresa deve utilizar um software roteirizador?

Se o gestor logístico não tem tempo suficiente para formar todas as cargas diárias, por não utilizar “ferramentas” que auxiliem a distância entre os clientes, ou até mesmo a localização exata do cliente em um mapa. Você definitivamente deve fazer o uso da roteirização automática!

Contudo, se o colaborador responsável por formar as cargas não otimiza a frota de cargas da empresa, realizando agrupamentos lógicos com o intuito de atender todas as entregas e utilizar os veículos em sua plena capacidade. Você com certeza deve fazer o uso da roteirização automática!

Entretanto, é exatamente neste ponto que um software roteirizador traz seu primeiro grande benefício.

Ao utilizar um software roteirizador é possível manter mapas constantemente atualizados pelo Google e, processados durante a fase de implantação, a localização exata de cada cliente no mapa.

Mas não é só isto! O serviço é baseado em diretrizes de roteirização, como:

  • Clientes com janela de entrega;
  • Clientes especiais;
  • Tipos de veículos com suas Capacidades (Peso e Cubagem);
  • Áreas com restrições a tipos de veículos;
  • Tempo máximo de execução por área;
  • Número máximo de entregas.

Vantagens de utilizar o roteirizador avançado do Fusion DMS

O Fusion DMS analisa as entregas das áreas selecionadas e, mediante a disponibilidade dos veículos, forma automaticamente as cargas com a divisão das entregas, calculando inclusive a melhor sequência para realização das entregas e os trajetos (a nível de ruas) que os veículos devem percorrer durante a execução das cargas.

No entanto, o colaborador que passava horas montando uns “quebra cabeças” para encaixar todas as entregas, recebe uma visualização no mapa de todas as cargas formadas em poucos instantes, podendo realizar ajustes finos e efetivá-las em seu sistema. Desta forma, a frota passa a ser utilizada da melhor forma possível.

Em outras palavras, a solução reduz significativamente a quilometragem rodada pelos veículos durante o mês.

Como boa parte dos custos das entregas variam proporcionalmente com a quilometragem rodada, os custos baixam na mesma proporção. Outro efeito que se percebe é a utilização de menos veículos para uma demanda equivalente ou a redução do tempo de entrega para o cliente final.

Por fim, após alguns poucos meses de automatização da roteirização um outro efeito interessante surge: o aumento da eficiência comercial.

Os clientes se tornam mais fiéis e até pagam “um pouco” mais caro para terem o seu serviço. Portanto, isto tem uma explicação simples: a melhoria do nível de serviço das suas entregas permite que seu cliente final trabalhe com estoques mais baixos e reposições mais frequentes, ou seja, o seu cliente final aumenta sua eficiência operacional. Afinal, não é isto que todos os empresários estão buscando?

Se você está buscando uma melhoria dos seus processos logístico, a Fusion tem a solução ideal para você!

Faça um orçamento conosco ou agende uma apresentação e conheça mais sobre o Fusion DMS

Gestão de produtividade: Por que é tão importante?

Gestão de produtividade é um conjunto de boas práticas que tem como prioridade administrar e acompanhar os elementos que influenciam a produtividade em uma empresa. Começando por metas elaboradas no planejamento estratégico, gestão de tarefas, fluxos de trabalho e gestão de equipe.

Toda teoria é linda, mas quando quem bota a mão na massa não está empenhado, os resultados são decepcionantes. Engajar a equipe é fundamental, principalmente se implantar um sistema de monitoramento eficaz

Contudo, para motivar a equipe é importante ter um sistema de reconhecimento, premiar os melhores colaboradores do mês, ou até mesmo aumentar o pagamento para a equipe de entregas que mais produziu. Existem diversas de formas de se realizar isto. Comece de forma simples e vá sofisticando.

Antes da gestão da produtividade, você sabe o que é produtividade?

Primeiramente, o conceito de produtividade está diretamente relacionada às atividades que o homem exerce desde os tempos pré-históricos. Essa relação entre o tempo utilizado para executar uma tarefa e os recursos aplicados em sua execução existe em todas as áreas de atuação. Na fabricação de produtos e entrega, a produtividade é considerada um item essencial e precisa estar presente nos relatórios dos líderes e coordenadores.

Contudo, o termo que conhecemos hoje foi criado pelo economista francês François Quesnay no século XVIII, mas ganhou força com a primeira revolução industrial iniciada na Inglaterra. Sobretudo, com o tempo e a implantação da linha de montagem e a definição da jornada de oito horas como a conhecemos hoje, outros modos de produção em massa como o fordismo ganharam força.

Ainda no espaço automotivo, a Toyota mudou o jogo através do Toyotismo, focando na descentralização da tomada de decisões, a fim de incentivar o trabalho em equipe, criando horários de trabalho flexíveis e reduzindo o desperdício de recursos, aspecto fundamental da abordagem Lean. Hoje, estamos presenciando outra era em que a tecnologia traz uma série de benefícios ao fluxo de trabalho de uma empresa por meio de aplicativos e softwares de gestão.

Exemplo de estratégia para apurar a produtividade

O importante é produzir muito e dentro do plano proposto da roteirização, o que garantirá o menor custo possível da produção. A partir da pontuação, podemos pagar um prêmio para os 3 primeiros colocados ou pagar R$0,01 (1 centavo) por ponto de produtividade.

1 – Pontos positivos para:

  1. KM rodado = 1 ponto por KM;
  2. Entrega realizada = 50 pontos por entrega;
  3. Peso transportado = 1 ponto por KG;
  4. Carga zerada (nenhuma ocorrência de devolução e reentrega) = 100; pontos por carga.

Todas as entregas da carga realizadas no prazo da rota (ex. rota diária, sair com 15 entregas e voltar zerado, sem reentregas) = 100 pontos por carga.

2 – Pontos negativos quando existem desvios do plano:

  1. Furo de cerca = perde 200 pontos;
  2. Velocidade excedida = perde 50 pontos;
  3. Entrega fora de ordem = perde 50 pontos;
  4. Atrasos perdem= 50 pontos;
  5. Devolução por culpa do motorista = perder 300 pontos;
  6. Avarias de mercadorias no transporte = perde 200 pontos;
  7. Avarias no equipamento = perde 500 pontos;
  8. Esquecimento de checkin da entrega = perde 100 pontos;
  9. Batida de ponto irregular = perde 300 pontos.

Mas por que a gestão de produtividade é tão importante ?

Produtividade é um tema recorrente no mercado de trabalho, para atingir as metas estabelecidas pela empresa, gestores e líderes utilizam uma série de ferramentas para monitorar, fiscalizar e melhorar a entrega dos processos produtivos e criativos executados por seus colaboradores.

Assim, a gestão da produtividade, além de facilitar a colaboração e o engajamento entre os membros da equipe, também desempenha um papel importante na identificação e ajuste de comportamentos que beneficiem o fluxo de trabalho.

Entretanto, com os avanços tecnológicos, fatores climáticos e mudanças causadas pela recente pandemia de COVID-19, a tecnologia deve se adaptar a novos ambientes que exigem altos níveis de produtividade e eficiência, mas também levantam preocupações sobre a existência de bons trabalhadores.

Contudo, quando apresenta bons resultados, deve-se considerar a satisfação das pessoas envolvidas no processo, e não a quantidade e qualidade das tarefas realizadas, a fim de obter o cuidado e evitar a sobrecarga de trabalho.

A gestão de produtividade é dividida em 4 pontos, são eles:

1 – Medição

A primeira etapa desse processo de divisão é a mensuração de dos indicadores. São medições feitas com base nos KPIs (Key Performance Indicador). Você deve estar se perguntando como devo usa-los?

Separamos alguns exemplos, veja:

Produção por período: Calcula a quantidade produzida em cada período de tempo (Hora, dia, semana e mês).

Tempo máximo de resposta: Ajuda a entender se o SLA definido em outras áreas ou clientes está sendo cumprido.

Capacidade de produção: Proporciona entender o quanto sua equipe é capaz de produzir, ajuda a medir o nível de produção e o que fazer para melhora-lo.

2 – Análise

Após identificar as métricas e analisa-las, é preciso transformar os números em informações relevantes para entender a atual situação da sua empresa.

Contudo, deve-se fazer uma analise objetiva, comparando informações para verificar se as métricas estão aumentando ou diminuindo. É importante lembrar que esse processo tem que ser feito com muita cautela para evitar falsas impressões.

Entretanto, se houver dúvidas, não hesite em verificar as informações novamente!

3 – Planejamento

Com base nos resultados da análise dos indicadores, é hora de avaliar o que pode ser feito para retomar o caminho dos bons resultados. A realização de uma reunião de planejamento ajudará os líderes responsáveis ​​a trocar ideias e recomendações que beneficiarão o futuro da empresa.

Com uma gestão flexível, as estratégias podem ser repensadas e todas as partes da organização podem ser ajustadas em torno do mesmo objetivo com base em dados reais.

4 – Execução das melhorias

Essa é a ultima etapa da divisão. É aqui que é realizado todas as propostas elaboradas com os líderes e colaboradores.

Portanto, as novas metas e objetivos estabelecidas, vão exigir uma mudança dos indicadores para melhor acompanhamento e conferir se teve mudanças significantes.

Uma boa gestão de produtividade pode gerar diversos impactos positivos no ambiente de trabalho e otimizar entendimento do profissional com o pessoal.

Contudo, você irá manter uma boa qualidade de vida para os seus colaboradores e ainda manter seu negócio lucrativo.

Todo gestor logístico quer proporcionar um ambiente adequado para seus colaboradores, entretanto, isso não é um papel fácil, por isso é de suma importância mensurar o rendimento dos seus empregados, evitando que trabalhem mais que o necessário, o que ocasiona menor produtividade e não é isso que você quer, não é mesmo?

Gostou? Quer aderir à gestão de produtividade na sua empresa? Mas, ainda não sabe quais caminhos e soluções podem te ajudar? Solicite uma apresentação, conheça nosso móduo de produtividade de motoristas e entregas!

Entenda como funciona a gestão da jornada de trabalho

A gestão da jornada de trabalho é um serviço realizado pelos departamentos de Recursos Humanos (RH) e Departamento Pessoal (DP).

 Se não for aplicada de forma eficaz, a empresa pode enfrentar resultados negativos, como ações judiciais e perdas financeiras.

Entenda a Lei do motorista

Vamos fazer uma leitura de um resumo da LEI 13.103, conhecida como Lei do Motorista:

Art. 2o São direitos dos motoristas profissionais de que trata esta Lei, sem prejuízo de outros previstos em leis específicas: V – se empregados:

Ter jornada de trabalho controlada e registrada de maneira fidedigna mediante anotação em diário de bordo, papeleta ou ficha de trabalho externo, ou sistema e meios eletrônicos instalados nos veículos, a critério do empregador;

Horas de trabalho

Art. 235-C. A jornada diária de trabalho do motorista profissional será de 8 (oito) horas, admitindo-se a sua prorrogação por até 2 (duas) horas extraordinárias ou, mediante previsão em convenção ou acordo coletivo, por até 4 (quatro) horas extraordinárias.

§ 1o Será considerado como trabalho efetivo o tempo em que o motorista empregado estiver à disposição do empregador, excluídos os intervalos para refeição, repouso e descanso e o tempo de espera.

§ 2o Será garantido ao motorista profissional empregado, intervalo mínimo de 1 hora para refeição, podendo combinar esse período com o tempo de parada obrigatória na condução do veículo…

O descanso

§ 3º No período de 24 horas, são garantidas 11 horas de descanso, sendo facultado a fração e a coincidência com os períodos de parada obrigatória na condução do veículo conforme previsto na Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Lei de Trânsito Brasileira) garantido o mínimo de 8 horas ininterruptas no primeiro período e o gozo das 16 horas restantes, seguindo ao fim do primeiro período., garantido o mínimo de 8 horas ininterruptas no primeiro período e o gozo das 16 horas restantes, seguidas ao fim do primeiro período.

§ 8o São considerados tempo de espera as horas em que o motorista profissional empregado ficar aguardando carga ou descarga do veículo nas dependências do embarcador ou do destinatário e o período gasto com a fiscalização da mercadoria transportada em barreiras fiscais ou alfandegárias, não sendo computados como jornada de trabalho e nem como horas extraordinárias.

§ 9 O horário relativo ao tempo de espera serão indenizadas na proporção de 30% (trinta por cento) do salário-hora normal.

‘Art. 67-C.  É proibido que o motorista dirija por mais de 5 horas e meia sem dar pausa aos veículos de transporte rodoviário coletivo de passageiros ou de transporte rodoviário de cargas.

§ 1o Serão observados 30 (trinta) minutos para descanso dentro de cada 6 (seis) horas na condução de veículo de transporte de carga, sendo facultado o seu fracionamento e o do tempo de direção desde que não ultrapassadas 5 (cinco) horas e meia contínuas no exercício da condução.

 
Percebe-se que a implantação da jornada não é mais uma opção para as empresas pois após esta lei, publicada em 2 de março de 2015, passou a ser um direito do funcionário.

Porém, isto é um trabalho operacional gigante. E a empresa pode ter um aumento substancial de custos.

Como fazer o gerenciamento da jornada de trabalho?

A alternativa para o trabalho operacional é a utilização de software especializado para capturar os intervalos de jornada com os tipos de trabalho: trabalho, direção, espera.

Calculando as horas extras, tempos de espera, banco de horas, etc. Além disto, fornece uma integração com o monitoramento para que o S.A.E. ajude em TEMPO REAL a empurrar a equipe para uma jornada correta.

Mesmo assim, ações reativas são necessárias para resguardar a empresa: advertências e suspensões por escrito.

O que fazer para diminuir o custo desse processo operacional?

Entretanto, para evitar o aumento do custo, deve-se utilizar o máximo possível das horas de esperas. O tempo de espera reduz a quantidade de horas extras que é permitido por Lei.

 Funciona assim: o motorista recebe (é indenizado) em dinheiro no fator 30% da hora normal ao invés de 150% (hora extra). Na prática, toda operação possui clientes que deixam muitas horas em espera.

O roteirizador precisa ter acesso às informações deste módulo para priorizar a escala dos motoristas com menos horas extras e, para o caso de não utilização de toda a frota, os motoristas com mais banco de horas recebam folga.

Um ponto interessante é que várias empresas estão equiparando as regras de gestão da jornada dos AJUDANTES de entrega com a Lei do Motorista, para utilizar os tempos de espera também para o ajudante.

Isto é possível, visto que o ajudante também fica aguardando juntamente com o motorista o cliente recebê-lo.

Por fim, é importante dizer que se faz necessário homologar com o sindicato estadual a gestão de jornada via software. Neste momento é indicado a homologação do banco de horas.

Qual a importância da gestão de jornada de trabalho?

Em resumo, o gerenciamento do tempo de trabalho envolve o uso de um sistema de agendamento de tempo. Dessa forma, é possível ver quais colaboradores estão cumprindo seus prazos mensais de trabalho e quais não estão.

Mas o que esse rastreamento de tempo inclui? Em geral, esta é a seguinte informação:

  • O número de horas trabalhadas por dia;
  • Número de horas extras por mês;
  • Considerar períodos de descanso durante a viagem;
  • A quantidade de atrasos de trabalho.

Além do que foi mencionado na introdução, há outro motivo pelo qual essa gestão é importante: o respeito aos colaboradores. Isso acontece porque o controle da jornada ajuda a empresa a cumprir o que está acordado no contrato de trabalho do profissional.

Portanto, se as horas excederem o horário normal de trabalho, o empregado será pago. Outra vantagem do gerenciamento de jornada é que ele pode medir a produtividade da equipe.

Dessa forma, os gerentes podem empregar políticas de meritocracia para recompensar os melhores desempenhos.

De acordo com o artigo 74 da Lei Integral do Trabalho (CLT), o controle da jornada de trabalho é obrigatório para empresas com mais de 10 funcionários.

No entanto, após a aprovação da Lei 13.874/2019 (também conhecida como Lei da Liberdade Econômica), a gestão do tempo de trabalho passou a ser obrigatória apenas para empresas com mais de 20 funcionários.

Garantir que os seus colaboradores trabalhem as horas estabelecidas corretamente é o dever de toda e qualquer empresa.

Quer garantir o melhor ambiente de trabalho para seus colaboradores, aumentando a produtividade e gerenciando os processos logísticos de forma eficaz?

Acesse https://site.fusiondms.com.br/ e solicite já uma apresentação do módulo de jornada de trabalho do Fusion DMS!

Gestão de frotas: Como criar um gerenciamento eficiente

Fazer uma gestão de frotas não é uma solução mágica para fazer o seu negócio prosperar em curto prazo, mas pode se tornar uma grande aliada, se feita de maneira eficiente.

Garantir que seus veículos tenham uma vida útil maior e que seja conservado pode se tornar uma tarefa bastante complicada se não for feita da maneira certa        

Afinal, o que é gestão de frotas?

Muitas empresas possuem automóveis como: Carros, motos e caminhões, para realizarem a parte operacional da sua logística e até mesmo para locomoção.

Entretanto, são bens ativos do seu negócio e precisam de cuidados. Não trate esse zelo como gasto e sim como investimentos, afinal todo investimento trazem lucros, não é mesmo?

Contudo, gestão de frotas é o gerenciamento dos veículos de uma empresa usados para transporte, coleta ou prestação de serviços.

Isso só é possível através da centralização de dados das manutenções dos veículos, consumo de combustível, quilometragem e rotas de condução.

Para isso, é necessário pensar em estratégias e desenvolver planos para que esses veículos possam atender a empresa com mais eficiência, reduzindo riscos e custos.

Vale lembrar que a gestão de frotas não é apenas para grandes empresas com inúmeros carros ou caminhões em suas garagens.

Nesse sentido, não há diferença entre o número de veículos e os tipos de veículos utilizados: qualquer empresa que utilize veículos (um, dois ou doze) para serviço ou entrega, por menor que seja, deve considerar como gerenciar sua frota.

Afinal, nenhuma empresa quer seus veículos atuando em más condições, não é mesmo?

Qual a importância da gestão de frotas?

Uma boa gestão de frotas pode melhorar a eficiência. Afinal, gerenciar uma frota é planejar e controlar processos com base em informações precisas.

Informações, por exemplo: Como o motorista está dirigindo, o estado do veículo, a quantidade de combustível consumida e o trajeto percorrido podem ajudá-lo a tomar melhores decisões.

A fim de, resolver problemas mais rapidamente e economizar dinheiro.

Quando o gerenciamento de frota é bem feito, é fácil ver se os processos se tornaram muito caros ou ineficientes e se todo o potencial da frota está sendo aproveitado.

Por fim, você não perde tempo, oportunidade e dinheiro.

Por que otimizar esse processo?

No mercado atual, ainda existem empresas que não perceberam as vantagens desse tipo de gestão e a sua importância.

Existem alguns pontos específicos que são melhorados com a gestão de frotas, devido à sua interface, seja ela direta ou indireta. Se sua empresa são gerencia suas frotas, seus clientes são impactados.

Por exemplo: O tempo que sua empresa leva para fazer uma entrega, se o automóvel fez manutenção ou não. Isso impacta o processo entre empresa e cliente.

Por causa da ausência de uma ação tão simples, como a manutenção do veículo, toda a cadeia de vendas do seu negócio é prejudicada.

Como criar uma gestão de frotas eficiente?

1 – Faça uma análise da sua frota.

Verifique se todos os seus veículos estão em condições de uso e se precisam de manutenção;

Faça a conta de quantos km cada veículo faz por mês e quanto ele poderia fazer;

Esteja por dentro dos gastos de combustível, manutenção e salários dos motoristas e de todos que trabalham com essa gestão;

Verifique se os motoristas estão dirigindo da maneira correta para economizar combustível;

Feito isso você irá conseguir identificar os problemas, prevê-los e pensar nas possíveis soluções.

2 – Desenvolva uma política.

É importante planejar o futuro, definir metas e fazer o possível para alcança-las.

A criação desta política requer a discussão detalhada dos serviços que sua frota fornece, juntamente com o estabelecimento de regras, como as relativas à conduta no local de trabalho e ao tratamento esperado dos clientes.

A gestão de frota visa a redução de custos. Portanto, a política é uma combinação de seleções. E sabemos que o negócio é acessível.

3 – Coloque alguns planos em prática

  • Ofereça treinamentos para os seus motoristas:

É de suma importância que seus motoristas dirijam de uma maneira defensiva, economizando combustível e evitando gastos desnecessários com multas.

São motoristas com hábitos e costumes diferentes no volante, por isso você deve sempre capacitá-los e estabelecer um padrão de condução da sua frota.

  • Roteirize suas entregas:

Com o software roteirizador da Fusion DMS, você além de garantir que sua frota não encare estradas em más condições, irá também reduzir gastos com combustíveis.

O software faz o cálculo para melhor distribuição e também é capaz de identificar o menor caminho a ser percorrido, diminuindo os riscos de desvio de mercadoria e furtos.  

Atribuir isso a sua empresa resulta em agilidade, flexibilidade e o melhor de tudo: A satisfação dos clientes.

Entenda como uma roteirização logística pode salvar seus processos logísticos.

4 – Esteja atento à legislação.

Carros de frota percorrem vários quilômetros e passam por lugares diferentes todos os dias.

Portanto, eles são mais suscetíveis à inspeção.

Nesse caso, seu papel é entender a legislação, atentar para como ela descreve a frota da empresa e atentar para a situação jurídica de cada veículo.

Se houver uma multa, não perca o prazo e pague em dia quando não puder reverter as coisas.

5 – Gerencie custos por viagem

Cada viagem é única, com características próprias e custos diferentes em relação a outras viagens, mesmo no mesmo itinerário.

Entretanto, para controlar o custo de cada corrida, além dos reparos e desgaste das peças, é necessário registrar a quilometragem percorrida, o consumo de combustível e as despesas com os pilotos (incluindo hospedagem e alimentação, se for o caso).

Principais problemas que a gestão de frotas enfrenta

Mau uso dos veículos

É importante a conscientização por parte dos motoristas a respeito da conservação dos veículos e o uso adequado dos mesmos.

Portanto, deve-se oferecer um treinamento sobre condução defensiva, direção responsável, trafegar por vias preservadas e fresar o cuidado dos veículos como se fossem seus.

Para isso, é importante que as empresas criem uma política de gestão de frotas.

Baixa produtividade

Campanhas de comunicação internas devem ser realizadas com frequência para mostrar os valores da empresa e motivar os colaboradores a se esforçarem mais e dar o seu melhor.

Então, é importante mostrar que a empresa se importa com os seus colaboradores, mostrando do que são capazes de fazer e os impulsionando. Isso irá aumentar a produtividade!

Uso pessoal dos veículos

Embora os motoristas fazem o uso dos veículos corporativos, e precisam se conscientizar a respeito do seu papel e sobre a responsabilidade ao utilizarem os veículos da empresa.

Um dos pontos a serem abordados é o uso indevido dos veículos, a falta de cuidado com eles e, principalmente, a utilização para fins pessoais.

Contribuir para a redução de custos

Controlar os custos através da manutenção, proteção e abastecimento da frota é o maior desafio dos gestores das áreas.

No entanto, os sistemas de informação fornecem uma solução para rastrear com precisão os gastos.

Ao mesmo tempo, também é viável utilizar racionalmente os recursos e melhorar a produtividade da equipe.

Como resultado, os custos são diluídos e o impacto torna-se menos significativo.

Quer ter mais controle nos seus processos logístico, ser eficiente e melhorar a qualidade de trabalho dos seus colaboradores?

Acesse agora https://site.fusiondms.com.br e faça um orçamento conosco!

Perda de estoque: 5 dicas de como reduzir agora!

A perda de estoque pode ser um grande contratempo para uma empresa, pois pode afetar as operações, os lucros e a lucratividade do negócio, resultando em uma série de perdas.

Os principais motivos para isso incluem roubo de itens, mau funcionamento, erros operacionais e falhas no registro de produtos.

Embora este seja um processo desafiador, a boa notícia é que existem algumas coisas que podem ser feitas em termos de controle de estoque que podem ter resultados muito positivos.

Em pequenas e micros empresas, prevenir a perda de estoque é ainda mais importante. Como as lojas trabalham com estoque reduzido nesses casos, além das perdas, sofrem com a frustração de não conseguir atender adequadamente os clientes.

Mas o que são as perdas de estoque?

Se existir uma diferença entre o que está no sistema que gerencia a quantidade exata de unidades que contém no estoque de uma empresa, isso é considerado uma perda de estoque.

Entretanto, identificar as perdas de estoque é de responsabilidade de uma equipe que avalia os resultados no inventário de mercadorias, no estoque e comparam com os resultados obtidos em seus relatórios.

Quando há esse problema em uma empresa pequena, pode dificultar todo o trabalho, já que pequenas empresas trabalham com estoques reduzidos e isso pode fazer com que elas não consigam atender a demanda corretamente.

Em uma grande empresa, o problema pode ser ainda mais grave, a perda de estoque pode ser fonte para um desperdício muito grande, capaz de levar a empresa a apresentar resultados muito baixos que no normal.

Compreender melhor os procedimentos de inventário perdido são essenciais para empresas de todos os tamanhos. Isso os ajuda a desenvolver uma vantagem estratégica sobre seus concorrentes.

Ao eliminar o desperdício e fornecer soluções confiáveis ​​ao seu público, qualquer organização pode mudar sua realidade por meio de um bom controle de estoque.

De onde surgem as perdas de estoque?

Para resolver adequadamente qualquer problema, é importante entender de onde ele veio. Isso pode ajudar a fornecer os recursos necessários para eliminar as perdas de estoque ou reduzi-las.

Existem vários tipos de fatos de perda de estoque. Esses fatos exigem que os gestores entendam o que os impulsiona e como resolver o problema. Os principais motivos para perda de estoque são:

1 – Furto

Furtar é o ato de tomar a propriedade de outra pessoa sem sua permissão.

As mercadorias que saem de uma empresa sem as medidas de segurança adequadas podem levar a muitos problemas. Isso inclui roubos internos, inventário perdido e problemas com fontes externas.

Portanto, é importante controlar quem tem acesso às ações da empresa. Não apenas pessoas não autorizadas devem ser impedidas de acessar o estoque, mas os funcionários também devem ser monitorados ao remover itens.

A contagem de produtos no estoque corporativo é uma sugestão para uma gestão eficaz do estoque. Além disso, as pessoas devem orientar a equipe durante a execução dessa tarefa.

2 – Avarias

Não são apenas ações propositais que causam perdas de estoque. É necessário levar em conta os problemas que surgem como resultado de situações descontroladas.

Um exemplo comum diz respeito às operações de transporte e armazenamento de produtos. Se não houver maior rigidez nesse sentido, os objetos podem ser parciais ou totalmente avariados, mesmo que o funcionário não pretenda prejudicar a empresa.

Consequentemente, podem surgir problemas quando o produto é movimentado ou se não estiver devidamente estruturado no espaço de armazenamento.

Entretanto, também pode acontecer quando a empresa não tenha soluções simples como, por exemplo, carroças de carga e prateleiras especiais que possam facilitar a colocação e manuseio de produtos no armazém.

3 – Falhas gerenciais

registros criados incorretamente e vendas realizadas sem registro junto à administração da empresa são exemplos de erros administrativos que comprometem a gestão de estoque da empresa.

Esse tipo de problema na verdade está mais relacionado à falta de processos bem estabelecidos dentro da empresa geralmente quando não existe um sistema separado para isso.

Assim, a consequência é que trabalha sempre com estoques contábeis, com informações imprecisos que tendem a gerar prejuízos no futuro.

4 – Falhas operacionais

Como você e sua equipe procedem no dia afetará seu inventário. A falta de uma política claramente definida de reabastecimento pode causar interrupções operacionais, por exemplo: vender mercadorias recém-adquiridas antes mesmo de permanecer em estoque.

Esse tipo de situação parece inofensiva, mas isso pode causar problemas no futuro, como a perda de itens vencidos no depósito.

Consequentemente, precisamos pensar em como evitar esse tipo de falha. As regras de estoque são importantes e devem ser seguidas considerando fatores como data de recebimento do produto e controle de lote.

Por isso, o sistema de controle de estoque também emerge como solução, pois protege seu negócio de falhas operacionais.

5 dicas de como evitar a perda de estoque

1 – Realizar o inventário do estoque

Uma boa dica para evitar a perda de estoque é o inventário rotativo, que é o inventário realizado com mais frequência e tem como objetivo, identificar a falta de itens com prazo de validade mais próximo e produtos cadastrados no sistema.

Com a implementação desta prática, é possível identificar com mais clareza a base do problema e, desta forma, desenvolver as medidas mais adequadas para resolvê-lo.

2 – Ter cuidado com as compras

O excesso de estoque é outro motivo que leva ao desperdício do produto, particularmente em situações em que o produto expirou. Os dados de estoque devem ser integrados e otimizados com o departamento de vendas, garantindo que o armazém tenha a quantidade ideal de itens.

Também é responsabilidade do departamento de compras evitar que a organização perca estoque. Por isso, são necessários políticas robustas de informação e gestão.

3 – Controlar os recebimentos

A atenção ao potencial perda de estoque começa quando os fornecedores enviam produtos para a empresa. É neste momento que dados relevantes como quantidade, condição dos itens entregues, validade e outras informações devem ser cuidadosamente registrados.

Com base nesses registros, os funcionários responsáveis ​​pelo controle de estoque poderão tomar as decisões mais adequadas quanto ao armazenamento distribuição e exposição dos produtos adquiridos, ajudando assim a evitar perdas.

4 – Verificar a rotatividade dos produtos

É necessário conhecer os produtos que o distribuidor possui, como o fluxo de circulação desses itens. Por esse motivo, é importante ter os dados certos na mão e analisá-los de forma eficaz.

Isso contribui para a determinação de indicadores, bem como a detecção dos produtos com mais emissões, o período de estoque vazio e principalmente suspensões de produtos.

Dessa forma, é possível criar as melhores estratégias para vender mais rápido e evitar que elas se convertam em prejuízos.

5 – Faça uma boa gestão de estoque

A gestão de estoque é um dos principais processos que garantem o sucesso de uma empresa. Em última análise, controlar a movimentação de todos os produtos em uma instituição facilita evitar o desperdício.

O tempo, a exibição nas prateleiras o transporte e outros fatores são questões que a equipe de controle de estoque da empresa deve monitorar de perto, pois são as principais causas de desperdício.

Agora que você já está ciente do que a perda de estoque pode causar na sua empresa, está na hora de implementar essas dicas na sua rotina e evitar prejuízos na sua empresa.

Gostou do conteúdo e quer ficar por dentro de mais como esse? Entre em contato conosco e assine a nosso newsletter e fique por dentro de todos os nossos conteúdos.

Logística 4.0: Competências que os profissionais devem ter

A logística 4.0 vai muito além de uma só expressão. É uma nova fase, com tecnologias mais avançadas, conexões inteligentes, atendimento otimizado com requisitos em velocidade, grande eficácia nos processos e uma redução de custos maior, e uma ampla disposição em informações proporcionada pela indústria 4.0.

As decisões são mais precisas e baseadas em dados, grande parte são de produção das empresas, e outras são por trocas dos clientes, embarcadores, transportadoras e armazéns.

Para entender o contexto, te daremos uma breve explicação do que é indústria 4.0

Também chamada de quarta revolução industrial, a indústria 4.0 é uma unção de um sistema amplo em tecnologias avançadas, como por exemplo: Inteligência artificial (IA), robótica, internet das coisas (IoT) e computação na nuvem, que estão mudando as formas de produção e os modelos de produção no Brasil e no mundo todo.

A indústria 4.0 pode gerar uma economia de até R$ 73 bilhões ao ano. É o que diz a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI)

Agora que você já sabe um pouco sobre indústria 4.0 daremos continuidade ao assunto

A evolução da logística

A indústria tem uma necessidade muito grande de se adaptar aos novos requisitos que, com o passar do tempo o mercado vai exigindo, desde a primeira revolução industrial, lá no século XVIII, na Inglaterra.

Naquela época a Indústria 1.0 já estava em prática, e diante de algumas descobertas, como: máquinas a vapor, as fábricas foram remodeladas e ampliadas.

Assim, a mecanização levou à expansão do mercado têxtil junto com a metalurgia, incluindo o setor de transportes.

Já no século XIV surgiu a segunda revolução industrial, contudo gerou – se uma grande procura especialização em mão de obra com o intuito de se qualificar.

A eficiência operacional tornou – se muito mais importante durante esse período, a produção em massa voltou a ser uma realidade e a produção aumentou exponencialmente.

A indústria automobilística fez seu nome, com a Ford produzindo modelos em massa na indústria automobilística, como o “Modelo T” da Ford.

Anteriormente, por volta do século XX vivemos a terceira revolução industrial, acontecimento recente, se considerarmos que ocorreram no século passado. Esse período foi marcado pelo início da transformação digital.

Além da disseminação da Internet e do uso de softwares e dispositivos móveis, também houve avanços na ciência, na robótica e na eletrônica.

Atualmente, com toda certeza a novidade é a logística 4.0. Que está sendo nomeado como a quarta revolução industrial. A logística 4.0 afetou toda a ordem de economia, modificando a maneira de como são feitos os negócios, mudando a sociedade e o estilo de vida das pessoas.

Entretanto, com essa nova revolução foram estabelecidas algumas tecnologias como: A internet das coisas (IoT), impressoras 3D, big data, Analytics, realidade aumentada, entre outras tecnologias.

O momento atual é a revolução 4.0

Esse conceito foi criado na Alemanha, a tendência é automatizar o setor fabril, otimizando processos e diminuindo custos.

Isso só é possível por causa da utilização de recursos ciberfísicos, possíveis por causa do IoT (internet das coisas) e da cloud computing (computação em nuvem), como anteriormente citado.

Tudo isso é muito mais que uma tendência, a indústria 4.0 é uma realidade e para sair na frende dos concorrentes e se destacar no mercado é preciso investir em recursos tecnológicos para desenvolver os processos com mais facilidade e aumentar o potencial analítico das suas equipes.

A principio a logística também é impactada por essas grandes mudanças. Se antes o comum era correr riscos em manter grandes estoques e ter os riscos de sofrer perdas, seja por conta de validade ou a dificuldade de armazenagem, agora é mais que necessário a digitalização na logística e uma gestão inteligente.

Quais os benefícios da logística 4.0?

Os benefícios da logística 4.0 para todos os envolvidos nessas áreas são muitos, tecnologia da informação e a comunicação em massa que conecta clientes a empresas, transportadoras e possibilita a troca de dados relevantes.

  • Entre os diversos benefícios, vale destacar maior integração entre os atores da cadeia de suprimentos;
  • prazos de entrega mais curtos;
  • otimização de espaço e custos de armazenagem;
  • melhor aproveitamento das frotas e otimização dos custos de transporte;
  • redução de estoque e prevenção de perdas e desperdícios;
  • maior segurança da cadeia de suprimentos, evitando paradas na linha de produção;
  • Redução da burocracia no processo, aumentando a produtividade e competitividade no mercado;
  • Capacidade de gerar grandes quantidades de dados relevantes para apoiar tomadas de decisões cada vez mais confiantes para melhoria contínua;
  • Além de aumentar significativamente o engajamento, maior satisfação do cliente, margens para transportadores e operadores logísticos.

Quem ainda não está por dentro dessa nova era da logística, precisa se preparar para essa nova realidade. Transportadoras e operadores logísticos devem promover mudanças na cultura organizacional e nas práticas diárias para os seus colaboradores irem se adequando.


Contudo, um gestor que deseja aumentar o desempenho da empresa precisa entender e revisar seu trabalho, buscando otimização e maior automação.

Habilidades necessárias para o profissional da logística 4.0

Com esse novo cenário, surgiram novas tendências para suprir as necessidades dos consumidores, que estão cada vez mais ativos no ambiente online e com demandas de entregas cada vez maior. Portanto, algumas habilidades para o profissional dessa área logística também mudaram.

Por isso separamos algumas habilidades, são elas:

Inteligência de dados

Para atuar nesse setor é preciso compreender dados para reconhecer os padrões e tendências, identificar interferências e as possíveis soluções.

É essencial para as marcas e principalmente aos consumidores, terem informações em tempo real sobre os processos de entrega.

A fim de interpretar o andamento da operação, por exemplo: qual pedido saiu para entrega, onde ele está, e quantos dias faltam para o destino final. Saber dessas informações estreita os laços entre os consumidores e os e- commerces e aumentam a confiança, dando potencial para compras futuras.

Se adaptar as novas tecnologias da logística 4.0

Estar por dentro das novas soluções tecnológicas é fundamental para as empresas se manterem competitivas no mercado e continuarem ganhando visibilidade, mas caso isso não ocorra as consequências são sérias.

Estamos falando de inteligência artificial, aprendizado com novas máquinas, entregas com veículos autônomos, drones, internet das coisas e várias outras necessidades dos consumidores 4.0

Resolução de problemas

Sobretudo, resolver os contratempos é essencial para os profissionais a fim de ter uma carreira de sucesso na logística.

Pois, um simples erro pode afetar diretamente seus processos logísticos podendo gerar perda de estoque, problemas com entregas e aumentar os seus custos.

Entretanto, todo profissional 4.0 deve estar apito para lidar com as mudanças repentinas e gerenciar crises.

Foco no cliente

Todas as habilidades que foram citadas anteriormente, têm como foco principal o cliente e suas necessidades.

 Sendo assim é necessário utilizar ferramentas de melhorias contínua dos processos, a fim de descobrir como alcançar uma eficiência maior e garantir o melhor serviço para as marcas.

Quer fazer parte da logística 4.0, reduzir custos e sair na frente dos seus concorrentes com recursos otimizados com suporte a toda hora? Acesse https://site.fusiondms.com.br/orcamento e faça um orçamento. Te esperamos em breve!

EIP: o que é e como ele pode ser um diferencial na gestão da sua empresa

As empresas precisam contar com ferramentas inteligentes que falem a linguagem das novas tecnologias. Surge, assim, um novo conceito de software voltado para a gestão de negócios: o EIP –  Enterprise Intelligence Platform.

Com a evolução tecnológica, estamos vendo a dinâmica do mercado mudar. A era digital exige das corporações mais colaboração, agilidade, transparência e assertividade

Portanto, a área logística foi especialmente impactada pelo aumento do consumo digital, contudo, é imprescindível acompanhar os novos modelos de negócios impulsionados pela tecnologia

Entretanto, surgem tecnologias, como a plataforma EIP, capazes de atender essa realidade de mais conectividade e competitividade do mercado global.  

Para ajudar você na condução da transformação digital do seu negócio. Apresentamos neste artigo o que é EIP e como essa solução é um diferencial no dia a dia da gestão, dos processos e na tomada de decisão da sua empresa. Boa leitura!

O que é EIP?

Podemos dizer que o EIP – Enterprise Intelligence Platform (Plataforma de Inteligência Empresarial, em português) é a evolução do sistema ERP para o novo cenário digital, que interliga as tecnologias avançadas ao negócio e agrega mais inteligência à gestão. 

Apesar da importante conquista com os sistemas ERP na automatização de processos e rotinas, a digitalização tem impulsionado novos modelos de gestão. As empresas precisam estar conectadas a todo o ecossistema de um mercado global. 

Foi assim que surgiu o conceito EIP, a fim de integrar toda a realidade da era digital aos processos de gestão empresarial e unir as empresas com o mercado, e não apenas com os dados e as informações dos departamentos internos

Ao ser integrado às novas tecnologias, como Big Data, Market Data, Internet das Coisas, e-Commerce, entre outras. O EIP alcança outro patamar de entrega, tornando o sistema ERP obsoleto.

É um ganho exponencial de competitividade, já que a integração a essas soluções resulta no acesso a informações de diferentes dispositivos, áreas, processos e bases de conhecimento disponíveis no ambiente web, para ajudar nas tomadas de decisão.

Quais são as vantagens e os diferenciais do EIP?

Em um contexto digital e de mudanças no comportamento dos consumidores que estão mais conectados e exigentes, a logística deve estar conectada ao mundo, além de integrada aos demais setores de uma empresa.

A logística digital, que já entende a tecnologia como estratégica para automatizar os processos, gerar mais eficiência nas entregas e reduzir os custos, precisa avançar para uma gestão de conhecimento colaborativa e focada em soluções para atender a esses novos consumidores. 

E é isso que a plataforma EIP possibilita: lidar com o controle das operações, não focando somente nos resultados – perdas e lucros -, mas em toda a cadeia produtiva e nos objetivos de negócio.

Entre os principais benefícios e diferenciais do EIP, estão:

Melhoria na gestão

O EIP oferece uma gestão mais direcionada, fácil e assertiva,  sem gerar gargalos causados por falhas na comunicação entre diferentes setores ou erros ocasionados por intervenção humana. 

É a entrega da informação certa, na hora certa e para a pessoa certa para apoiar as decisões estratégicas. 

Experiência única (personalização)

O foco é propiciar a melhor experiência a cada usuário na realização do que precisa ser feito. Desta forma, a plataforma de inteligência empresarial guia o colaborador de acordo com suas responsabilidades, evitando falhas e quebras nos processos, além de racionalizar e automatizar as várias interações envolvidas.

O EIP torna a experiência única, adequando-se especificamente aos hábitos de usabilidade e às necessidades do usuário, bem como da empresa

Decisões mais assertivas

Na prática, a plataforma conduz à melhor decisão. Ela simplifica o acesso às informações necessárias e, a partir de indicadores que diretores e gestores necessitam, conhece a fundo e aponta os melhores caminhos para a tomada de decisão gerencial ou estratégica no momento oportuno.

Mais inteligência empresarial

O EIP conecta a gestão empresarial  às tecnologias avançadas, como análises preditivas, blockchain, sistemas integrados, bots de atendimento e Machine Learning, Big Data, Internet das Coisas (IoT), plataformas de EAD (Ensino a Distância), microsserviços especialistas, fintechs, plataformas de colaboração e mobilidade. Essa integração é indispensável na gestão de negócios atuais e agrega mais inteligência empresarial. 

Colaboração

Outro diferencial são as plataformas de EAD dentro do próprio ambiente EIP, que propiciam mais colaboração e interação. O EIP permite compartilhar o conhecimento, compreender o perfil comportamental dos usuários do sistema e construir metodologias de trabalho aderentes às demandas de cada função ou cargo, de maneira inteligente.

EIP x ERP

Como mostramos, o EIP é um conjunto maior de soluções. Trata-se de uma mudança conceitual e uma evolução tecnológica. 

Pontuamos a seguir as principais diferenças entre o ERP e o EIP. Confira:

Integração entre as áreas x integração com o mercado

A plataforma EIP incorpora tudo o que é feito por um sistema ERP. Entretanto, vai além da integração dos diferentes departamentos de uma empresa, ele é capaz de reunir informações do mercado para uma administração mais estratégica. É a integração da empresa com o mundo.

Sistema x plataforma

É a transformação de um sistema fechado para uma plataforma flexível, orientada ao usuário e colaborativa. Contudo, os ERPs exigem dos negócios uma adequação para se encaixar aos requerimentos da própria ferramenta. O EIP se adapta à empresa e a cada usuário, fornecendo uma experiência única

Proprietário x colaborativo

O EIP é construído em linguagem totalmente colaborativa. Nele, cada pessoa pode criar as suas soluções e disponibilizá-las em um ambiente colaborativo. Funciona como as lojas de aplicativos dos sistemas operacionais para smartphones, permitindo o compartilhamento de conhecimento e a criação de novas tecnologias.

Isso permite aos usuários compartilharem soluções e conhecimento, e novas tecnologias são criadas tanto para o seu próprio negócio, quanto para outras empresas com a mesma necessidade, mas realidades diferentes.

Já os ERPs foram construídos em linguagens proprietárias, de propriedade do fornecedor do software, o que limita a possibilidade de gerar novas ideias por quem está no dia a dia da operação.

Departamentalizado x única jornada

Uma das preocupações do ERP é integrar os diferentes departamentos de uma corporação a fim de automatizar os processos, possibilitando também a integração com outras ferramentas, como uma solução bancária, de Business Intelligence ou sistemas de fretes e cotações

Porquanto, os usuários precisam navegar entre os diferentes módulos do ERP ou acessar outro sistema para resolver um problema, o que muitas vezes exige vários aprendizados para realizar cada atividade.  

Por outro lado, o EIP guia cada um à solução que ele precisa no momento. O foco é na melhor jornada. Nesse sentido, a plataforma de inteligência fornece uma única jornada, sem precisar mudar de ambiente ou entrar em ferramentas distintas. Tudo que o usuário precisa pode ser encontrado na própria plataforma.

Previsão de informações x análise de informações

Nos ERPs, o sistema entrega relatórios e informações para que o gestor ou colaborador faça as suas análises e tire suas conclusões.

No EIP, a plataforma já faz análises a partir de uma biblioteca de informações e recursos de Inteligência Artificial. Isso possibilita aos usuários terem acesso a insights, predições e alertas para executarem suas atividades e tomarem melhores decisões.

Passivo em relação à estratégia x orientado pela estratégia

O ERP ainda não é capaz de conduzir o colaborador de forma automática pelas diretrizes, métricas e objetivos de negócio da corporação.

Já a plataforma EIP guia o usuário na execução de tarefas alinhadas ao planejamento e ao mapa estratégico da empresa, mesmo que o colaborador não conheça todas as determinações e estratégias do negócio.

Sobre o Sankhya Om : 1ª plataforma desenvolvida a partir do EIP

A Sankhya lançou o Sankhya Om, sua primeira plataforma desenvolvida a partir do EIP – Enterprise Intelligence Platform, que possibilita mais autonomia e flexibilidade aos negócios. 

Com base nesse conceito, o Sankhya Om é a solução focada em tornar a gestão mais inteligente, prática e intuitiva. Ele conecta as empresas com o mundo, aprendendo com o usuário e o conduzindo às melhores práticas de gestão.

A plataforma inteligente da Sankhya é capaz de identificar os gargalos da gestão e fornecer a informação certa, para a pessoa certa, na hora certa

Como mostramos, a evolução do ERP foi necessária para acompanhar a dinâmica do mercado no contexto digital, enquanto uma solução EIP traz mais autonomia às atividades de rotina e gestão

Se sua empresa precisa investir em diferentes ferramentas ou adaptar o negócio ao sistema utilizado, conheça a Sankhya e faça a transformação digital do seu negócio acontecer. 


Esse texto foi escrito pela Sankhya para os leitores do blog da Fusion DMS. Por meio de uma metodologia exclusiva, a Sankhya oferece a solução mais completa de gestão para a sua empresa, permitindo que você esteja mais próximo de cada etapa da sua estratégia.

Evite o excesso de estoque: saiba as causas, consequências e soluções

Por falta de um bom planejamento o excesso de estoque pode causar muitos prejuízos para a sua empresa. A causa disso é a grande quantidade de produtos armazenados, que vai além da demanda das vendas de sua empresa.

Esse é um problema comum de acontecer, mas para evitá-lo é preciso pensar em uma boa estratégia e, assim, diminuir custos e ter um maior controle das suas compras.

Portanto, estabelecer um plano de ação poderá facilitar o seu contato com os fornecedores, ter maior controle do inventário e entregar relatórios gerenciais mais precisos.

O que causa o excesso de estoque?

O excesso de estoque pode ser causado pela sazonalidade do produto, aumento da valorização da marca, novos concorrentes no mercado ou por condições socioeconômicas de um determinado mercado que esteja em queda.

Ainda assim, o excesso de estoque pode ser separado em dois grandes grupos:

Fatores externos:

O armazém possui a mesma quantidade de estoque estabelecida no planejamento logístico, porém, a demanda pelo produto baixou, e a quantidade do estoque é maior que a demanda do mercado.

Este é um claro fator externo: a demanda do mercado. Com isso, o armazém terá que mudar o seu estoque para outro lugar para equilibrar a incompatibilidade.

Fatores internos:

Podem ocorrer por um mal planejamento da gestão de estoque, falta de organização da própria empresa ou do departamento de vendas e compras que errou a previsão de crescimento do mercado.

Quais consequências o excesso de estoque pode trazer ?

Redução do capital de giro

Com muitos produtos acumulados e sem venda você terá a redução do capital de giro e baixa liquidez, item que facilita a venda sem ter perda de valor.

O capital de giro é responsável por trazer faturamento para sua empresa, logo, com ele em decadência a empresa vem a ter prejuízos.

A perda de produtos e de matéria prima pode ocorrer!

Quando os produtos ficam muito tempo parados em um estoque, eles podem acabar se estragando, impossibilitando a venda e trazendo dor de cabeça para o gestor de estoque.

Todos os setores tem seus riscos, portanto sempre é bom planejar bem o que fazer para não se expor às ameaças, como:

  • determinados itens perderem a validade;
  • ocorrer danos no processo de deslocamento;
  • sofrer efeitos de umidade;
  • ocorrer danos com a variação da temperatura; entre outros.

Aumento de custos com a manutenção de estoque

A manutenção do estoque é uma boa prática de gestão. Entre as medidas que a empresa tomará, temos como foco analisar o consumo nos últimos meses, refinar e avaliar a curva ABC e categorizar os produtos para facilitar a verificação de quais itens precisam ser substituídos.

Empresas que tem o excesso de estoque tornam os seus processos logísticos muito mais difíceis. Afinal, com uma grande quantidade de produtos armazenados é preciso de uma estrutura ainda maior e reforçada para aguentar o grande volume do estoque.

Também será preciso de uma quantidade maior de colaboradores para realizar o serviço de manutenção.

Como lidar com o grande excesso de estoque?

Agora, que você já sabe das más consequências de um grande volume de estoque, iremos te explicar como lidar com esse tipo de problema da melhor forma possível. Confira abaixo!

1 – Planeje bem as compras

Sempre é importante qualquer negócio planejar bem suas compras. Para que dê certo é preciso fazer um acompanhamento constante dos produtos que estão a venda no seu negócio.

Sobretudo, é importante realizar alguns cuidados com vendas de forma periódica.

E ainda, se essas estratégias forem feitas manualmente há grandes riscos de ocorrer erros na contagem podendo causar o excesso ou a falta de estoque.

Mas, com o surgimento de novas tecnologias e o bom uso delas por parte do gestor. É possível estabelecer uma comunicação mais efetiva entre o negócio e o fornecedor, a fim de aumentar a produtividade da sua equipe e garantindo dados genuínos.

2 – Escolha o dia certo para construir inventários

Construir inventários é um ponto que merece um pouco mais de atenção por sua empresa. Para construí-lo de forma eficaz é preciso entender o momento certo para isso.

 Portanto, se você escolher um dia com grandes movimentações das mercadorias, esse trabalho se tornara difícil além de aumentar o risco de o inventário ter falhas em suas informações.

Os produtos devem sempre ser categorizados para aumentar o sucesso do inventário. A partir disso, será mais fácil para os seus funcionários identificar quais os tipos de materiais, além de proporcionar uma contagem efetiva.

Detalhe: não se esqueça de deixar o espaço do estoque bem organizado. O inventário não é só a contagem dos produtos disponíveis, ele também contribui para a organização, impedindo o excesso do estoque.

3 – Ter controle sobre o seu negócio

Conforme já discutimos e chegamos a conclusão que é uma contribuição para que sua empresa tenha ótimos resultados. Evitar o excesso de estoque deve se tornar uma prática importante e estratégica do seu negócio.

Automatizar processos permitirá que você tenha facilidade em verificar quais itens estão disponíveis em sua empresa a fim de permitir que os seus colaboradores foquem em um trabalho mais estratégico em suas operações.

Vale ressaltar a importância de desenhar um fluxo de entrada e saída dos produtos, com isto desenhado é possível manter a gestão sempre alinhada com o que foi estabelecido no planejamento.

O que é, como medir e alcançar a entrega perfeita na logística?

Já parou para pensar quais erros você deveria parar de cometar para alcançar a entrega perfeita a fim de garantir a satisfação dos seus clientes?

Para começar você deve se fazer algumas perguntas, como por exemplo:

Faço entregas roteirizadas? Consigo acompanhar minha frota de caminhões em tempo real? Consigo saber antecipadamente se teve algum erro com a pesagem do caminhão ou pedido errado?

Se a resposta para algumas dessas perguntas for não, você tem um sério problema, você pode estar deixando de vender e/ou perdendo dinheiro, mas o que realmente está em jogo aqui é a reputação da sua empresa.

Mas, o que seria a entrega perfeita?  

De início, é importante saber que a entrega ideal é composta pelos seguintes níveis:

  1. Entrega realizada 100% dentro do prazo;
  2. Na quantidade certa (taxa de preenchimento 100%);
  3. Na condição e embalagem certas;
  4. Com a documentação correta.

A entrega perfeita é o produto chegar no dia e hora certos, lugar certo e para a pessoa certa, além disso é entregar o produto com a qualidade que o cliente espera.

Contudo, para fazer isso acontecer é necessário melhorar a qualidade dos processos logísticos, com o fim de satisfazer o cliente quando a entrega é pontual e sem atrasos.

Como medir sua entrega perfeita?

A entrega perfeita é calculada a partir da eficiência das etapas de um pedido.

Devemos levar em conta dois fatores:

  • On-Time: Percentual de entregas realizadas dentro do prazo;
  • In-Full: Percentual de eficiência em todos os processos envolvidos no atendimento, ou seja, se o pedido foi entregue no local correto, completo, sem erros e de acordo com as especificações combinadas previamente.

Para calcular o pedido perfeito, você precisa dividir o número de entregas que se enquadram em todos os critérios estabelecidos acima pelo número total de entregas realizadas no período analisado. 

Para obter o percentual, basta multiplicar por 100. 

A fórmula então seria: 

Pedido perfeito = nº de entregas ÷ nº total de entregas x 100.

Por exemplo, Se em um determinado período sua empresa realizou 85 entregas, mas apenas 79 delas ocorreram no prazo e sem nenhum tipo de problema, o cálculo seria: 79÷85=0,92×100=92%. 

Ou seja, o indicador OTIF de sua empresa nesse período específico foi 92%.

Vale destacar que quanto mais próximo esse valor estiver de 100%, melhor!

Em linhas gerais, as organizações têm um índice de pedido perfeito de 90% — cerca de 10% de todos os pedidos enviados apresentam algum tipo de falha.

Isso é o que aponta a American Productivity and Quality Center (APQC), maior autoridade mundial em benchmarking, melhores práticas, melhoria de processos e desempenho e gestão do conhecimento.

E-book: Gestão logística de entregas

Entrega perfeita: os benefícios para sua empresa!

São inúmeros os benefícios dessa prática, alguns deles são: melhorias no controle operacional e estoque, prospecção de novos clientes que terão uma boa experiência com a empresa e irá repetir a compra, podendo até fazer um marketing boca a boca, tornando seu negócio ainda mais conhecido.

Contudo, não é só a satisfação do cliente que importa. Uma boa estratégia a fim de diminuir os custos deverá ser aplicada, e isso só poderá ser feito com o auxílio de tecnologias que automatizem e integrem seus processos e estratégias.

Afinal, vale a pena investir tanto para alcançar o pedido perfeito na empresa?

A resposta é sim! Garantir a entrega do produto certo e na quantidade certa diminui o risco e gera uma credibilidade alta para a sua empresa, aumentando sua reputação no mercado. Também é possível aumentar a rentabilidade do seu negócio e evitar ter estoques desequilibrados.

Está esperando o que para alavancar suas vendas e garantir o sucesso da sua empresa?